Integrando JSF 2 e Spring

Por Juliano Alves em 02/08/2011, atualizado em 09/08/2012

É muito fácil encontrar material sobre JSF 2 de qualidade na internet, mas não se encontra uma forma fácil de realizar a integração com Spring, e quando encontrada, geralmente a integração é feita via xml. Nesse post será mostrado como fazer a integração entre essas duas ferramentas de uma maneira simples usando anotações e um mínimo de xml.

Para trabalhar com o JSF são necessários dois jars:

compile 'com.sun.faces:jsf-api:2.2.0-m04'
compile 'com.sun.faces:jsf-impl:2.2.0-m04'

Por parte do Spring, são os mesmos jars usados para integração com Struts:

compile 'org.springframework:spring-asm:3.1.1.RELEASE'
compile 'org.springframework:spring-beans:3.1.1.RELEASE'
compile 'org.springframework:spring-context:3.1.1.RELEASE' 
compile 'org.springframework:spring-core:3.1.1.RELEASE'
compile 'org.springframework:spring-expression:3.1.0.RELEASE'
compile 'org.springframework:spring-web:3.1.1.RELEASE'

A configuração no web.xml fica assim:

As tags servlet e servlet-name são para o uso “padrão” do JSF. A classe ContextLoaderListener é quem vai subir o contexto do Spring, também uma configuração comum. O que merece atenção aqui é o RequestContextListener, o qual vai expor o request para que o Spring possa manipulá-lo, permitindo assim que ele faça as injeções no momento adequado.

Por fim, há mais uma alteração que deve ser colocada no faces-config.xml:

JSF utiliza Expression Language (EL) para determinar a qual classe a página xhtml se refere. Fazendo uso de uma classe chamada ELResolver ele pega a String passada, a interpreta e faz a referência adequada. A classe SpringBeanFacesELResolver proporciona a integração entre os dois frameworks interceptando a requisição e passando-a para o contexto do Spring, o qual a manipula para prover as dependências requeridas pelos ManagedBeans, devolvendo-a em seguida para o ELResolver do próprio JSF.

Para ficar mais claro, vamos ao código. Abaixo, um Dao gerenciado pelo Spring:

@Repository("carroDao")
public class JdbcCarroDao implements CarroDao {

    // métodos aqui
}

Ao utilizar a anotação @Repository, se houver apenas uma implementação para CarroDao, geralmente para o Spring não é necessário que um nome seja especificado, mas ele se faz necessário ao trabalhar com JSF:

@ManagedBean
public class CarroBean {

    @ManagedProperty(name = "dao", value = "#{carroDao}")
    private CarroDao dao;

    public void setDao(final CarroDao dao) {
        this.dao = dao;
    }
}

Agora a anotação @ManagedProperty será usada não apenas para se referir ao que está no escopo web, mas também para lidar com os beans do Spring. A propriedade name é usada para indicar o nome do campo do managedBean, para que o JSF chame o setter adequado, enquanto a propriedade value vai ser usada para referenciar o nome do bean, no caso o carroDao anteriormente especificado.

E é só isso. Fazendo uso do fluxo do próprio JSF, e com algumas poucas configurações, o Spring proporciona uma integração simples e natural, que não altera em nada a forma de trabalhar com JSF.



blog comments powered by Disqus